Faculdades Particulares podem Reduzir Mensalidade dos Cursos

0
  

Confira aqui mais detalhes sobre a possível redução nos valores das mensalidades das faculdades.

Uma tendência que há pelo menos 4 anos, desde 2014, com os rumores de redução do Fies, já davam indícios que mais cedo ou mais tarde as universidades privadas deveriam diminuir o valor das mensalidades dos seus cursos.

E o que já era esperado está se concretizando, conforme divulgado em revistas de grande circulação no país, a informação exclusiva é que o tíquete médio das mensalidades deverá sofrer uma redução dos atuais R$ 750 para R$ 450 por mês.

Fatores que contribuíram para redução

Além do grande número de evasão dos alunos e inadimplência que são reclamações comuns das faculdades em seus cursos presenciais, existem outros fatores que estão contribuindo para que essa diminuição dos valores ocorra.

A redução do financiamento estudantil (FIES) ano após ano e a migração dos alunos da modalidade presencial para modalidades à distância são alguns fatores que impulsionam cada vez mais as faculdades a repensar suas estratégias e rever valores de cursos, inclusive suas mensalidades.

Segundo a consultoria Atmã Educar, esses fatores farão com que as faculdades privadas do país reduzam nos próximos três anos suas mensalidades em até 40% dos valores utilizados atualmente, uma diferença que pode chegar até 300 reais nas parcelas pagas.

Fies promove a queda livre das mensalidades

Há 4 anos, a partir de 2014, o número de novos contratos formalizados pelas universidades privadas para o financiamento estudantil sofreu uma diminuição de 730 mil novos contratos para apenas 300 mil por ano.

Além desta diminuição, o aumento de novos pólos de ensino à distância, cerca de 85% de crescimento no segundo semestre de 2017, graças a uma portaria que foi publicada pelo Ministério da Educação, que abrandou as regras do setor, destravando a modalidade para a criação de novos cursos e com valores mais acessíveis.

Os novos pólos chegam a oferecer mensalidades bem abaixo dos cursos presenciais, alguns cobrando menos que R$ 50 por mês, aumentando a concorrência e desequilíbrio no mercado do ensino.

Ensino à distância oferece vantagens e flexibilidade

O tempo é o principal motivo para que muitos estudantes façam a opção por cursos à distância. Bem como, a flexibilidade de horários e diminuição de custos. Outra vantagem é a oferta dos diplomas com o mesmo peso que um curso presencial e reconhecido pelo MEC (Ministério da Educa/ção).




Algumas pessoas acreditam que o ensino à distância é mais puxado do que os tradicionais. O fator comprometimento e exigência de estudo autodidata também contribuem para esta posição.

A prova real sobre a preferência é a notícia acima, os valores exorbitantes das faculdades presenciais e também pelo crescimento da procura dos últimos anos deste modelo superando o presencial, além disso, a aceitação é inquestionável.

A alta disponibilidade, flexibilidade, custos, certificação reconhecida, ambientes de aprendizagem cada vez mais sofisticados, tutores especializados, possibilidade de trabalhar e estudar ao mesmo tempo de forma bem mais tranquila, ou seja, as vantagens são bem maiores, por isso, a adesão supera as tradicionais.

Uma coisa é certa! As faculdades com os cursos tradicionais terão que se adaptar a tendência com novas estratégias, benefícios e minimizar seus custos ou poderão assistir o declínio e possível extinção de alguns cursos de suas grades presenciais.

Presença em várias cidades do país

A queda livre das mensalidades é rodeada por inúmeros fatores e eles não param de crescer. O acesso era um dos maiores problemas para muitas pessoas, distância e local.

Atualmente com o crescimento do modelo EAD a presença dos pólos à distância está presente em quase todas as cidades brasileiras e são mais de 3100 espalhados para apoio em todo o país.

Os conteúdos e a interação estão sempre disponíveis, 24 horas por dia, 7 dias por semana, o ambiente virtual está disponível para ser acessado a qualquer momento e em qualquer lugar.

Achou interessante este artigo? Compartilhe nas redes sociais com seus amigos ou deixe seu comentário sobre este assunto.

Marcio Ferraz






Deixe uma resposta